domingo, 25 de outubro de 2015

A Missa Rezada de Requiem


Por Blasius Ludovicus


Já apresentamos as funções de um Acólito e dois Acólitos, também do Celebrante na Missa Rezada. Agora daremos as modificações geral quando se tratar de uma Missa Rezada de Requiem, ou seja, a Missa rezada pelos falecidos.

Observações e regras gerais:
1. A absolvição dos Defuntos é obrigatória nas exéquias, quer o cadáver esteja presente fisicamente, quer moralmente.
2. Pode-se dar a absolvição, ainda que seja cantada, depois de qualquer Missa de Requiem, mesmo Rezada[1]. Deve ser dada pelo mesmo sacerdote que celebrar a Missa, acolitado pelos mesmos ministros, a não ser que o Bispo diocesano a queira dar.[2]
3. É proibido dar a absolvição depois duma Missa que não seja de Requiem[3]. Mas pode dar-se, independentemente da Missa, a qualquer hora do dia, exceto nas festas de 1ª classe[4], por qualquer sacerdote, revestido de sobrepeliz e estola e pluvial preto, com assistência de ministros sagrados.
4. A absolvição pode ser sobre o cadáver, sobre o catafalco, ou sobre um pano preto.

I
OBJETOS A PREPARAR

Para a Missa Rezada de Réquiem preparam-se tudo como para a Missa normal, observando que:
1. Retiram-se as flores, os relicários e eventualmente os tapetes de festas do altar.
2. O altar é ornado de preto, exceto o conopeu que é sempre roxo.
3. Prepara-se o missal próprio dos Defuntos ou marca-se devidamente o missal ordinário[5].
4. Os paramentos são mais ou menos preciosos conforme a solenidade que se deseja dar a ou a classe da Missa. Entretanto, não se deve usar (mesmo nas Missas de maior solenidade) alvas que são usadas nos dias de grandes festas[6], principalmente aquelas que têm rendas.
II
FUNÇÃO DO CELEBRANTE (Cel)

O padre que celebra a Missa dos mortos, ao recitar as orações de preparação, termina os salmos com o Gloria Patri... e acrescenta Alleluia no tempo pascal, pois a preparação não faz parte nem da Missa nem do Ofício dos Mortos. Ele faz o mesmo na ação de graças. E também oscula normalmente os paramentos.
Ele observa, em seguida, todas as cerimônias ordinárias da Missa Rezada, salvo as seguintes excessões:
1. Depois da antífona Introibo e a resposta do Ac, o padre diz logo o Ajuntorium nostrum... e o resto como de costume;
2. Às primeiras palavras do Introito, ele não se benze, mas traça o sinal da cruz com a mão direita sobre o missal, enquanto a mão esquerda permanece sobre o altar;
3. Depois do salmo, não se diz Gloria Patri, mas se repete Requiem aeternametc.
4. Não se diz nem Gloriain excelsis, nem Alleluia, nem Iube Domine benedicere, nem Dominus sit in corde meo (mas diz-se o munda cor meum); não se oscula o livro no final do Evangelho, e não se diz o Per Evangelica dicta; omite-se o credo;
5. Ao rezar a oração Deus qui humanae substantiae, o padre omite o sinal da cruz sobre a água; ao final do salmo Lavabo, ele não diz Gloria Patri, nem Requiem aeternam;
6. Ao Agnus Dei, no lugar do Miserere nobis, diz Dona eis requiem, e no lugar de Dona nobis pacem, diz Dona eis requiem sempiternam, sem bater no peito; ele tem então as mãos juntas, sem apoiar sobre o altar, e as apoia em seguida para as orações;
7. Ele omite a primeira oração antes da comunhão (Domine Iesu Christe qui dixisti);
8. Ao final, no lugar do Ite Missa est, o padre, voltado para o altar, diz o Requiescant in pace;
9. Ele não dá a benção final; depois de ter dito o Placeat e osculado o altar, vai imediatamente dizer o último Evangelho, como ordinariamente (caso não dê a absolvição a algum defunto).

III
FUNÇÃO DO ACÓLITO (Ac)

A Missa Rezada de Réquiem é a Missa Rezada normal com as seguintes particularidades:
1. O Ac dá e recebe o barrete sem ósculos;
2. Omite-se o salmo judica me com suas respostas;
3. Ele não se levanta para transportar o livro, a não ser no final da Sequentia, se o padre a diz;
4. Ele não oscula as galhetas;
5. Ele não bate no peito ao Agnus Dei;
6. Ao final da Missa, assim que o padre terminar de dizer Requiescant in pace ele responde Amen.




[1] SCR, n. 4215.
[2] SCR, 3029, 10; 3798, 2; Cfr. Epkem. Lit., 1932, p. 111.
[3] SCR, nn. 2186.3014 ad 1.
[4] SCR, nn. 3780.4183.
[5] A capa do missal na Missa de Requiem deveria sempre ser preta, mesmo num missal ordinário.
[6] (Martinucci)

2 comentários: