segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

As Missas dos Defuntos

A - As Missas dos defuntos em geral
390. As Missas pelos defuntos que se celebram no dia da Comemoração de todos os defuntos, concordam com o Ofício; todas as demais Missas pelos defuntos são distintas do Ofício.

391. Nas Missas de defuntos não se faz nenhuma comemoração do Ofício do dia corrente.

392. As Missas de defuntos são de I, II, III ou IV classe; de cada uma delas se tratará nos números seguintes.

393. Proíbe-se toda Missa de defuntos, mesmo a exequial:
a) nas igrejas e oratórios onde, por qualquer razão, se tem a exposição do Santíssimo Sacramento, durante todo o tempo da exposição. Excetuam-se as Missas no dia da Comemoração de todos os fiéis defuntos (n. 351);
b) nas igrejas em que há somente uma Missa, enquanto exista a obrigação da Missa conventual, a qual não pode ser cumprida por outro sacerdote; a menos que a mesma Missa conventual possa ou deva ser dita pelos defuntos;
c) nas igrejas que tem somente uma Missa, no dia 2 de fevereiro e na quarta-feira de cinzas, se neles se faz a respectiva bênção das velas ou das cinzas; e nas Ladainhas Maiores e Menores, se se deve dizer a Missa das Rogações.

394. A primeira Missa das assinaladas para o dia da Comemoração dos fiéis defuntos, com as orações próprias marcadas no Missal entre as orações diversas pelos defuntos, se celebra também:
a) pelo Sumo Pontífice, pelos Cardeais, pelos Bispos e Sacerdotes defuntos, em todas as Missas de I, II e III classe;
b) nos aniversários de todos os defuntos de uma Ordem ou Congregação clerical.

395. A Missa In die obitus seu depositionis defuncti se celebra pelos defuntos não sacerdotes:
a) na Missa exequial;
b) nas Missas do dia da morte;
c) nas Missas depois de recebida a notícia da morte;
d) na última sepultura do defunto;
e) no 3º, 7º e 30º dia, mas com suas orações próprias.

396. A Missa marcada “In aniversario defunctorum” se celebra nos aniversários dos defuntos que não são sacerdotes.

397. A Missa “cotidiana” se celebra por todos os defuntos, qualquer que seja seu grau, fora dos dias acima marcados.

398. Quanto às orações nas Missas de defuntos guarde-se o seguinte:
a) todas as Missas dos defuntos, seja Cantada seja Rezada, dizem-se per se com uma única oração, a menos que tenha que ajuntar a oração imperada pro defunctis, conforme o n. 458, ou possa acrescentar a oração votiva pelos defuntos, conforme o n. 464.
b) nas Missas de defuntos de IV classe, se se aplicam por determinados defuntos, se diz a oração conveniente daquelas que o Missal marca entre as orações diversas pelos defuntos; se se aplicam pelos defuntos em geral, ou se ignora a designação, se diz a oração Fidelium.
c) nas Missas pelos defuntos proíbe-se toda oração que não seja pelos defuntos.

399. A sequência Dies irae:
a) deve-se dizer somente nas Missas dos defuntos de I classe. Entretanto,  na Comemoração de todos os Fiéis defuntos, se se celebram as três Missas sem interrupção, deve-se dizer a sequência somente na Missa principal, do contrário na primeira Missa; nas demais Missas, a não ser que sejam Cantadas, pode-se omitir;
b) Pode-se omitir nas Missas de II, III e IV classe.

400. Qualquer Missa de defuntos pode ser ou Cantada ou Rezada.
401. A absolvição sobre o cadáver ou sobre o túmulo:
a) deve-se  realizar depois da Missa exequial;
b) pode-se realizar depois das demais Missas de defuntos;
c) pode-se fazer também, por justa causa, depois das Missas que não são de defuntos.

B - As Missas de defuntos de I classe

I - As Missas de defuntos de I classe em geral
402. As Missas de defuntos de I classe são:
a) as Missas do dia da Comemoração de todos os fiéis defuntos.
b) a Missa exequial.

II - As Missas do dia da Comemoração de todos os fiéis defuntos
403. No dia da Comemoração de todos os fiéis defuntos, todo sacerdote pode celebrar três Missas, como o indica o Missal, esse dia.

404. Na celebração das Missas deste dia, deve-se guardar o seguinte:
a) quem celebra somente uma Missa, celebra a primeira; quem celebra duas, celebra a primeira e a segunda;
b) quem celebra Missa Cantada ou conventual, celebra a primeira, e tem a faculdade de antecipar a segunda e a terceira;
c) quem celebra várias Missas Cantadas, em diversas igrejas, sempre deve dizer a primeira;
d) se, porém, celebram-se várias Missas Cantadas numa mesma igreja, primeiramente celebra-se a primeira Missa, depois celebra-se a segunda e por último a terceira.

III - A Missa exequial
405. Por Missa exequial se entende uma Missa de defuntos, que está em conexão com as exéquias de algum defunto.
Esta Missa, per se, deve ser celebrada com o cadáver presente; porém, por uma causa razoável, pode-se celebrar estando o cadáver ausente ou sepultado.

406. Proíbe-se a Missa exequial:
a) nos dias marcados nos nn. 1, 2, 3, 4, 5 e 6 da tabela de precedência;
b) nos dias das festas de preceito, compreendidas no n. 11 da tabela de precedência;
c) no aniversário da Dedicação e na festa do Titular da igreja na qual tem lugar o funeral;
d) na festa do Patrono principal de um povo ou de uma cidade;
e) na festa do titular e do Santo Fundador da Ordem ou da Congregação à qual pertence a igreja em que se realiza a função.

407. Se o Ofício de alguma festa, da qual se trata no n. 406, translada-se acidentalmente conforme as rubricas para outro dia, a Missa exequial proíbe-se no dia em que se impede a festa e se permite no dia em que se translada o Ofício; mas se a solenidade externa de alguma festa se faz no Domingo, a Missa exequial se proíbe-se no dia em que se realiza a solenidade externa, porém, não no dia da festa.

408. Sempre que se proibe a Missa exequial, ou por causa razoável, não se pode celebrar no próprio ato do funeral, pode-se transladar para a dia mais próximo igualmente não impedido.

409. Na Comemoração de todos os fiéis defuntos, toma-se como Missa exequial a primeira do dia, com as orações respectivas para o defunto que se devem dizer na Missa exequial. Mas se a primeira Missa se celebra pelo Ofício do dia, se tomará como Missa exequial a segunda, ou por último, a terceira.

C - As Missas dos defuntos de II classe

I - As Missas de defuntos de II classe em geral
410. As Missas de defuntos de II claese são:
a) as Missas no dia da morte;
b) a Missa de depois de ter recibido a notícia da morte;
c) a Missa na última sepultura do defunto.


411. Todas as Missas de defuntos de II classe se dizem como no día da morte; entretanto, permitem-se contato que:
a) apliquem-se pelo mesmo defunto;
b) não caia num dia litúrgico de I classe ou num Domingo qualquer.
Se a Missa in die obitus se diz oito dias depois da morte ou da sepultura do defunto, na oração pós-comunhão se omite o advérbio “Hoje”.

II - As Missas do dia da morte
412. Por “Missae pro die obitus” se entende as Missas que se celebram por algum defunto desde o dia de sua morte até o dia da sepultura:
a) no oratório privado do mesmo defunto, se o cadáver está fisicamente presente na casa;
b) na igreja ou no oratório do lugar onde o defunto morreu, está enterrado ou tem domicílio;
c) na igreja ou oratório em que se celebra a Missa exequial, separado do enterro.

III - A Missa depois de ter recebido a notícia da morte
413. Por “Missae post acceptum mortis nuntium” se entende a que se pode dizer por algum defunto em qualquer igreja ou oratório, no dia mais oportuno depois de ter recebido a notícia da morte.

IV - A Missa na última sepultura do defunto
414. Por Misa na última sepultura do defunto se entende a única Missa, que se pode dizer em uma igreja ou oratório daquele lugar, onde o corpo do defunto já inumado é levado para a sepultura definitiva, no mesmo dia da sepultura definitiva.

D - As Missas dos defuntos de III classe

I - As Missas de defuntos de III classe em geral
415. As Miasas de defuntos de III classe são:
a) a Missa no 3º, 7º e 30º dia da morte ou a sepultura do defunto;
b) a Missa in anniversario;
c) as Missas de defuntos nas igrejas e capelas do cemintério;
d) as Missas de defuntos dentro da oitava da Comemoração de todos os fiéis defuntos.

416. As Missas de defuntos de III classe proibem-se nos dias litúrgicos de I e II classe e emprega-se a fórmula indicada mais abaixo para cada Missa, a não ser que se tenha tomado a primera Missa da Comemoração de todos os fiéis defuntos, conforme o n. 394.

II - As Missas no 3º, 7º e 30º dia depois da morte ou sepultura
417. No 3º, 7º e 30º dias, contando a partir da morte ou sepultura do defunto, se pode dizer em qualquer igreja ou oratório pelo mesmo defunto uma só Missa como no dia da morte, com as orações próprias que se acham no final do Missal.
Sempre que esta Missa esteja proibida, se pode transladar para o dia mais próximo, igualmente não impedido.
Tais Missas podem ser várias nos dias em que se permitem as Missas de defuntos de IV classe.

III - As Missas “no aniversário”
418. Por aniversário em sentido estrito se entende a recordação anual da morte ou sepultura de algum defunto; em sentido lato se entende ou o aniversário por fundação, fora do dia da morte ou sepultura, que deve-se celebrar uma vez ao ano, ou a celebração que por todos os fiéis defuntos de algum grupo, se tem uma vez por ano, no dia determinado por fundação ou por costume do grupo, ou que se há de determinar pelo grupo ou pelo sacerdote celebrante.

419. Nestes dias em qualquer igreja ou oratório, se permite uma só Missa que deve ser dita como no aniversário; e sempre que se acha proibida pelas rubricas, pode-se transladar para o dia mais próximo igualmente não impedido.
Tais Missas podem ser várias nos dias em que são permitidas as Missas de defuntos de IV classe.

IV - As Missas nas igrejas e capelas dos cemitérios
420. Por igrejas e capelas do cemitério se entende:
a) a igreja ou oratório público principal do cemitério, na qual se enterram os cadáveres, sempre que a igreja ou o oratório não tenha obrigação coral ou cura de almas;
b) a capela de algum sepulcro particular erigido devidamente, dentro dos fins do cemitério;

421. As Missas que se celebram nestes lugares, sempre que se apliquem pelos defuntos, se podem dizer de Requiem, tomada a “Missa cotidiana”, com a oração conveniente.

V - As Missas dos defuntos dentro dos oito dias da Comemoração de todos os fiéis defuntos
422. Durante oito dias a partir do dia da Comemoração de todos os fiéis defuntos inclusive, todas as Missas, que se aplicam por todos ou alguns defuntos, podem dizer-se de Requiem, tomada a Missa “cotidiana”, com a oração conveniente.

E - As Missas de defuntos de IV classe, ou “cotidianas”

423. As Missas de defuntos de IV classe são as Missas restantes de defuntos, “cotidianas”, que se podem celebrar no lugar da Missa do Ofício do dia, nas férias de IV classe somente, fora do tempo da Natividade.
Convém grandemente que tais Missas de defuntos de IV classe se digam tão somente quando certamente se aplicam pelos defuntos ou em geral ou determinados.

Ir para o Índice

Nenhum comentário:

Postar um comentário