segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

O modo de ordenar o Ofício Divino


A – Modo de ordenar o Ofício divino em geral
158. Da extensão do Ofício divino em cada dia litúrgico já se falou acima, a saber, nos nn. 13, 27, 34 y 37.

159. Da qualidade do Ofício divino que se deve recitar e do modo de distribuir cada uma das partes das Horas segundo a diversidade dos dias litúrgicos, se falará abaixo, nos nn. 165-177.

160. O modo de recitar cada uma das Horas se encontra no Ordinário do Ofício divino.

161. Tem Matinas com três Noturnos, quer dizer, com nove salmos com nove leituras:
a) as festas de I e II classe;
b) as férias do Tríduo sacro;
c) a oitava da Natividade do Senhor;
d) a Comemoração de todos os Fiéis defuntos.
162. Tem Matinas com um único Noturno de nove salmos e três leituras:
a) todos os Domingos, exceto os Domingos da Páscoa e de Pentecostes;
b) todas as férias, exceto as férias do Tríduo sacro.
c) todas as vigílias;
d) as festas de III classe;
e) os dias durante a oitava da Natividade do Senhor;
f) o Ofício de Santa Maria “no sábado”.

163. Tem Matinas com único Noturno de três salmos e três leituras, os Domingos da Páscoa e de Pentecostes e seus dias durante a oitava.

164. As festas que não tem I Vésperas e que, por qualquer causa, as adquirem segundo as rubricas, tomam tudo das II Vésperas, excetuando somente aquilo que se indique como próprio para suas I Vésperas.

B – O Ofício dominical
165. O Ofício dominical compete aos dias de Domingos, nos quais não ocorra uma festa que tenha preferência sobre o mesmo Domingo.
No entanto, existe uma ordenação especial do Ofício:
a) o Domingo de Páscoa e de Pentecostes;
b) o Domingo durante a oitava da Natividade do Senhor.

166. O Ofício dominical se ordena deste modo:
a) para as I Vésperas: tudo como no Ordinário e no Saltério do Sábado precedente, exceto o indicado como próprio.
b) Completas subsequentes: do sábado.
c) para as Matinas: o invitatório e o hino como no Ordinário ou Saltério; as antífonas, salmos e versículo do único Noturno, como no Saltério do Domingo; a absolvição Exaudi; as bênçãos: Ille nos, Divinum auxilium, Per evangelica dicta; a 1ª e 2ª leituras: com seus responsórios da Escritura ocorrente (n. 220 a); a 3ª leitura da homília do Evangelho do dia (n. 220 b); o hino Te Deum, que se omite nos Domingos do Advento, e desde o Domingo da Septuagésima até o II Domingo da Paixão; nesse caso, se diz o 3º responsório.
d) para as Laudes: as antífonas, se não se indicam próprias, são do Saltério; os salmos, do Saltério do Domingo, do I ou II esquema, segundo a diversidade dos tempos (n. 197); o capítulo, o hino e o versículo, como no Ordinário ou Saltério ou Próprio do Tempo; o resto como no Próprio do Tempo.
e) para Prima: a antífona, a não ser que tenha própria, e os salmos do Saltério do Domingo; o capítulo e o resto como no Ordinário; a leitura breve, do Tempo.
f) para Tércia, Sexta e Noa: tudo como está no Ordinário e no Saltério, exceto o que se indique como próprio.
g) para as II Vésperas: tudo como está no Ordinário e no Saltério, exceto o que se indica como próprio.
h) Completas: do Domingo.

C – O Ofício festivo
167. O Ofício festivo compete às festas de I classe; e se ordena deste modo:
a) para as I Vésperas: tudo do Próprio ou do Comum.
b) as Completas subsequentes: do Domingo.
c) para as Matinas: tudo do Próprio ou do Comum; se diz o hino Te Deum.
d) para as Laudes: tudo do Próprio ou do Comum, com os salmos do Domingo, em primeiro lugar.
e) para a Prima: a primeira antífona de Laudes; os salmos 53, 118i e 118ii; o capítulo e o resto como no Ordinário; a leitura breve do Tempo.
f) para Tércia, Sexta e Noa: a segunda, terceira e quinta antífonas de Laudes, por ordem; os salmos do Domingo; o resto do Próprio ou do Comum.
g) para as II Vésperas: tudo do Próprio ou do Comum.
h) as Completas: do Domingo.

D – O Ofício semifestivo
168. O Ofício semifestivo compete às festas de II classe; ese ordena deste modo:
a) para as Matinas, Laudes e Vésperas: tudo como no Ofício festivo.
b) para Prima: as antífonas e os salmos, do Saltério do dia corrente da semana; o capítulo e o resto, como no Ordinário; a leitura breve, do Tempo.
c) para Tércia, Sexta e Noa: as antífonas e os salmos do Saltério, do dia corrente da semana; o resto da festa, do Próprio ou do Comum.
d) as Completas: do Domingo.

E – O Ofício ordinário
169. O Ofício ordinario compete às festas de III classe e ao Ofício de Santa Maria “no sábado”; e ordena-se deste modo:
a) para as Matinas: o invitatório e o hino do Próprio ou do Comum; as antífonas, os salmos e o versículo do único Noturno do Saltério, do dia corrente da semana, a não ser que se indiquem próprios ou do Comum (n. 177); a primeira e a segunda leitura, com seus responsórios, da Escritura, como se indica no n. 221 a; a terceira leitura da festa (n. 221 b); se diz o hino Te Deum.
b) para as Laudes e as Vésperas: as antífonas e os salmos, como no Saltério, do dia em curso da semana, a não ser que se indiquem próprios ou do Comum (n. 177); o resto, do Próprio ou do Comum.
c) para Prima: a antífona e os salmos, do Saltério, do dia em curso da semana; o capítulo e o resto, como no Ordinário; a leitura breve do Tempo.
d) para Tércia, Sexta e Noa: as antífonas e salmos como no Saltério do dia em curso da semana: o resto da festa, do Próprio ou do Comum.
c) as Completas: do dia em curso da semana.

F – O Ofício ferial
170. O Ofício ferial compete a todas as férias e vigílias, exceto:
a) o Tríduo sacro;
b) a vigília da Natividade do Senhor.

171. O Ofício ferial se ordena deste modo:
a) para as Matinas: o invitatório e o hino, do Saltério ou do Ordinário, segundo a diversidade dos tempos; as antífonas, salmos e versículo do único Noturno, do Saltério do dia em curso da semana; nas férias, três leituras da Escritura ocorrente ou da homília sobre o Evangelho do dia, com seus responsórios; nas vigílias, três leituras próprias da homília, com os responsórios da féria em curso. O hino Te Deum se diz somente nas férias do Tempo da Natividade e da Páscoa; nos outros Tempos se diz o terceiro responsório.
b) para as Laudes e as Vésperas: tudo como no Saltério, do dia em curso da semana e como no Ordinário, segundo a diversidade dos tempos, com exceção do que for indicado como próprio. Nas férias, se diz a oração própria, se houver; do contrário, se diz a oração do Domingo precedente, a não ser que se indique outra; porém, nas vigílias se diz a oração própria.
c) para Prima: a antífona, a não ser que se indique uma própria, e os salmos, do Saltério do dia em curso da semana; o capítulo e o resto, como no Ordinário; a leitura breve, do Tempo.
d) para Tércia, Sexta e Noa: as antífonas, se não tem própria, e os salmos do Saltério do dia em curso da semana; o capítulo e o resto como no Ordinário, segundo a diversidade dos tempos; a oração, como em Laudes.

e) as Completas: do dia em curso da semana.



Nenhum comentário:

Postar um comentário