segunda-feira, 8 de maio de 2017

Capítulo V - A oração (Colecta)




1. Dito o Gloria in excelsis, ou, se não deve ser dito, omitindo-o, o celebrante oscula o altar no meio, com as mãos estendidas em ambos os lados sobre o mesmo, como acima: em seguida, com as mãos juntas ante o peito e com os olhos voltados para solo, volta-se para o povo pelo lado esquerdo, isto é, por aquela parte pela qual volta os olhos para o lado da Epístola, e estendendo, e juntuando as mãos ante o peito, como antes, diz em voz alta: Dominus vobiscum, ou se for Bispo: Pax vobis (o que é dito tanto neste lugar, como quando é dito o Gloria in excelsis). R: Et cum spiritu tuo, e com as mãos juntas, como antes, volta-se para o altar pelo mesmo lado ao Missal, onde estendendo as mãos, e unindo-as ante o peito, e inclinando a cabeça, diz: Oremus, então estende as mãos ante o peito, com os dedos ao mesmo tempo unidos, e diz a oração. Quando diz Per Dominum, junta as mãos, e as mantém assim até o fim.[1] Se a oração é concluída com Qui tecum ou Qui vivis, junta as mãos quando diz: in unitate.
2. Quando na oração, ou em outro lugar na Missa, é pronunciado o nome de JESUS ou de MARIA, e também quando é pronunciado o nome do Santo ou Beato do qual se diz a Missa ou se faz comemoração é mencionado, ou o do Sumo Pontífice, o sacerdote inclina a cabeça. Se várias orações devem ser ditas, o mesmo deve ser observado nelas, quanto à voz, o estender de mãos, e a inclinação de cabeça, conforme dito acima.
3. Se o altar for orientado, voltado para o povo, o celebrante com a face voltada para o povo, não volta as costas ao altar, quando for dizer Dominus vobiscum, Orate, fratres, Ite, Missa est, ou quando for dar a bênção; mas tendo osculado o altar no meio, aí mesmo, estendendo e juntando as mãos, como acima, saúda o povo, e dá a bênção.
4. Todas as vezes que na Missa a ser dita ocorrerem as palavras Flectamus genua. – Levate, o sacerdote, tendo dito o Kyrie, eleison no meio do altar, retorna ao lado da Epístola, onde estando de pé diante do livro, estendendo e juntando as mãos ante o peito, inclinando a cabeça, diz Oremus, e em seguida: Flectamus genua; e imediatamente, com as mãos estendidas sobre o altar, para que sustente a si mesmo, dobra os dois joelhos e, com as mãos juntas, reza em silêncio por algum espaço de tempo; depois diz: Levate, levanta-se e, com as mãos estendidas, diz a oração. A leitura que segue se lê do mesmo modo como a Epístola, como será dito abaixo.

***
Título original: Ritus servandus in celebratione Missae
Caput: V – De oratione




[1] Os autores chamam a atenção para o texto desta rubrica que diz “até o fim” porque se o padre há de procurar outra Coleta ou a Epístola em outro lugar do missal, não deve fazê-lo antes de concluir a oração, isto é, toda a conclusão. Por esse motivo mesmo, o padre deve ter preparado o missal antecipadamente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário